quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Remédio contra leucemia pode combater esclerose múltipla

WASHINGTON (AFP) — Um tratamento contra um tipo de leucemia revelou-se promissor para tratar a esclerose múltipla, não apenas detendo o avanço da enfermidade, mas também invertendo seus efeitos, segundo estudo clínico britânico publicado nesta quinta-feira na revista americana New England Journal of Medicine.
"A capacidade desse medicamento denominado Alemtuzumab contra o câncer não tem precedentes para favorecer a reparação do cérebro", destacou o doutor Alasdair Coles, professor de neurologia clínica na Universidade de Cambridge (Grã-Bretanha), que coordenou numerosos aspectos do estudio clínico da Fase 2.
A esclerose múltipla é uma doença do Sistema Nervoso Central, lentamente progressiva, que se caracteriza por placas disseminadas de desmielinização (perda da substância - mielina - que envolve os nervos) no crânio e medula espinhal , dando lugar a sintomas e sinais neurológicos variados e múltiplos, às vezes com remissões, outras com exacerbações, tornando o diagnóstico, o prognóstico e a eficiência dos medicamentos discutíveis.
Não existem causas conhecidas para a esclerose múltipla, entretanto estudam-se causas do tipo anomalias imunológicas, infecção produzida por um vírus latente ou lento e mielinólise por enzimas.
"Esperamos que os resultados sejam confirmados por um estudo clínico de Fase 3, isto é, a verificação de um certo grau de cura dos efeitos (desta enfermidade) ainda considerados irreversíveis".
Numerosos participantes do estudo clínico da Fase 2 tratados com Alemtuzumab, efetivamente, recuperaram parte das funções físicas perdidas mostrando-se menos incapacitados três anos depois do início do tratamento.
O estudo, financiado pela empresa Genzyme e o laboratório alemão Bayer Schering Pharma AG, mostrou que o Alemtuzumab reduziu 74% a mais o número de ataques em pacientes que sofriam esclerose múltipla em relação aos tratados com o interferón beta-1a, atualmente a terapia mais eficaz para a doença.
O estudo clínico foi realizado em 334 pacientes que sofriam da enfermidade em estado precoce.

Fonte: Agência France Press

2 comentários:

Neuroprojecto disse...

Olá! Somos um grupo de estudantes do 12ºano e estando a desenvolver um projecto sobre Neurologia e Doenças Neurológicas gostaríamos que visitasse o nosso fórum, dando o seu testemunho. Seria muito importante para o nosso trabalho:

neuroforum.7forum.info

Além do mais gostaríamos de salientar que gostámos muito do vosso blog, dado que nos tem fornecido várias informações importantes.

Anónimo disse...

Mim ajudem por favor pois minha mae vio este comentario a ums dias na internet e de la pra ka naum vem mais dormindo ansiosa a pouco tempo teve um surto de EM naum faz zdois messes e estou vendo que ela esta a ponto de ter outro surto querendo informacoes sobre essa tal cura queria saber se e veridica essa informacao responda por favor meu email e tiagoxx18@hotmail.com.br meu nome e Tiago Moreira dos Santos